DestaqueSaúde

Estamos nos preparando para dançar com a morte?

Artigo de opinião

Essa pandemia tem demonstrado que nos locais onde surge o primeiro caso e não são tomadas medidas rigorosas de isolamento IMEDIATAMENTE a explosão de casos que vem nas semanas seguintes e descontrolada.

Em números absolutos, a cada três dias, 38 municípios do Brasil são afetados. Como o vírus (que não tem pernas e não tem assas) é levado para o interior? …. Através das nossas rodovias, do transporte rodoviário.

Como nosso Município tem se comportado nas últimas semanas?

Respondo sem medo algum. Com uma irresponsabilidade sanitária impressionante. Querem exemplos? … fila enormes na frente da Caixa Econômica Federal e outros bancos, filas enormes no centro cultural, comércios lotados, orla da lagoa lotada, trânsitos congestionado na principal avenida da cidade.

Quem são os culpados? Também respondo sem medo algum: Governo Federal, Governo Municipal, Associação que representa o comercio e por fim nos mesmos (que não acreditamos na letalidade deste vírus e achamos que nada nos vai acontecer).

No dia das mães o que vimos na cidade? Centenas de pessoas se aglomerando em frente a locais onde se vendem frangos e costelas assadas, distribuidoras de bebidas lotadas, pessoas transitando como se estivessem de férias de casa em casa, e por aí vai. Isolamento Social, que nada.

Onde estão as barreiras sanitárias para se medir a temperatura de caminheiros, de pessoas que entram em nossa cidade vindo de outros locais, com orientação de medidas de prevenção?… Não existem.

Porque o Município não está desinfetando (basta hipoclorito de sódio e água e boa vontade) locais onde existem grandes concentrações de pessoas?

O vírus pode permanecer no chão, nas paredes, nos objetos por dias. A reação tardia, lenta, demorada terá o seu custo em vidas.

Os empregados que estão na linha de frente, usam que equipamentos de proteção adequados? Na maioria dos casos uma máscara simples e muita Fé. Deveriam estar usando luvas, escudos faciais, aventais …

Qual atual capacidade do Hospital Municipal de atender a caso de COVID-19, hoje, daqui a uma semana? Quantos respiradores? Temos a capacidade de entubar pacientes? Temos a capacidade de atender por semanas esses pacientes? Temos quantos profissionais treinados e capacitados na área de cuidados intensivos? Qual o tamanho da equipe de Saúde? Qual a equipe de reserva?

Rezo a Deus que não tenhamos que fazer ambulâncioterapia, pois 400 km de viajem não é para qualquer doente em estado grave suportar.

Inclusive, já estamos vendo a realidade da região norte, onde os mais ricos estão fretando ambulâncias aéreas (aviões UTIs) para terem cuidados em hospitais nos grandes centros do Centro Oeste e Sudeste e os pobres morrendo na porta dos hospitais lotados.

Quais providencias o Ministério Público tem tomado? Qual o plano de contingência caso a pandemia entre em estágio de contaminação comunitária e sustentada na nossa cidade?

O que o poder Público fizer nas duas próximas semanas e o que cada um de nós fizermos em seguida, definira o nosso destino, rezo para que não sejamos omissos, e não tenhamos que dançar com a Morte.

Marcelo Pereira de Oliveira – OAB-GO 17.247

Especialista em Direito Penal, especialista em Metodologia de Ensino Superior e Mestre em Direito do Trabalho e Processo do trabalho, sócio fundador do escritório Paulino & Oliveira Advogados e atual Presidente da Subseção da OAB Porangatu.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar