Porangatu

Fisiculturista e digital influencer morre por insuficiência renal

Após 24 horas de sua morte, questões burocráticas impediam a realização do seu último desejo: Ser enterrado em sua cidade natal, Porangatu.

Conhecido por seus músculos, força e bom humor nas redes sociais, o fisiculturista e digital influencer, Samuel Rodrigues, 37 anos, faleceu na manhã desta terça-feira (2) em Campinas (SP), em decorrência de insuficiência renal.

O porangatuense morava em Campinas há 15 anos, mas sempre deixava explícito em nos vídeos em que exibia seus músculos, o amor pela terra natal e pela culinária goiana como o frango caipira e o pequi.

Em seus vídeos, a montanha de músculos também demonstrava seu jeito meninão e alegre, dançando e sempre sorrindo.

A luta pela vida começou em 2017.
A luta pela vida começou em 2017. Foto: Reprodução

A luta pela vida de Samuel começou em 2017 quando ele foi diagnosticado com a paralisação dos rins. Teve que ser internado às pressas e foi encaminhado para a hemodiálise e a fila de transplante.

Desempregado, ele contou com a ajuda do amigo Adriano Pedroza que levou ao conhecimento de seus seguidores e amigos a realidade da situação psicológica e financeira que o influenciador passava.

Pessoas de vários lugares do mundo se sensibilizaram com a causa. Em Porangatu, criaram um bloco e carnaval com a frase criada por Samuel: “É só zelar”. O Carnaval de Rua de Porangatu era outra paixão dele e o objetivo era conseguir alguma premiação para repassar o valor para sua subsistência.

Abatido e com emagrecimento muito acentuado, ele enfrentou muitas dificuldades até se adaptar às sessões, inclusive necessitando do suporte de muletas, temporariamente.

Organizado de última hora, o bloco atraiu alguns seguidores, mas não superou os já formados há algum tempo.

Bloco "É só zelar" no Carnaval de Rua de Porangatu.
Bloco “É só zelar” no Carnaval de Rua de Porangatu. Foto: Reprodução

Com sensibilidade devido à mobilização e a causa, os organizadores do evento (Prefeitura de Porangatu) que premiariam apenas os três primeiros classificados, criaram o quarto lugar e entregaram R$ 300 para ser enviado ao homenageado.

Aos poucos Samuel se restabeleceu e enquanto passava pelo tratamento em dias alternados, voltou a malhar e produzir seus vídeos.

Assim como na campanha do início de seu tratamento, a morte de Samuel repercutiu. Nas redes sociais, foram produzidos vídeos e textos em sua homenagem.

24 horas após sua morte, o amigo Adriano Pedroza e pessoas próximas; questionavam a demora do Samu e ainda tentava de todas as formas realizar o desejo de Samuel após sua morte, que era ser enterrado em Porangatu, mas esbarrava em questões burocráticas e na decisão dos familiares de primeiro grau que moram em outro Estado.

ATUALIZAÇÃO – Na manhã de sexta-feira (05), Adriano Pedroza, entrou em contato com nossa equipe e informou que a mãe de Samuel (Sílvia) chegou à Campinas (SP) e juntamente com outros familiares, decidiram pelo velório e enterro naquela cidade, no cemitério dos Amarais.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar