CrimeNorte de GoiásPolíciaPorangatu

Quatro homens são presos na BR-153

Eles retornavam de uma pescaria em pleno período da Piracema.

Condutor reprovado no teste de alcoolemia e com documentação do veículo vencida. Uma caixa de isopor com aproximadamente uma centena de peixes, duas tarrafas, uma rede e uma espingarda calibre 22.

Foram nessas condições que quatro homens foram presos na manhã desta quarta-feira (22), no início da manhã na BR 153, km 67, em Porangatu, Norte de Goiás. Eles estavam retornando de uma pescaria em um VW Gol e foram abordados por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Unidade Operacional da cidade.

Eles retornavam de uma pescaria em pleno período da Piracema.
Eles retornavam de uma pescaria em pleno período da Piracema. Foto: PRF

A ação teve início quando João Pedro Morais de Souza, 48 anos, convidou os outros três homens para pesca na fazenda da irmã. Ele conduzia o veículo e estava alcoolizado, sendo reprovado no teste de bafômetro com teor alcoólico de 0,5 miligramas de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões. Ele deve responder por conduzir veículo com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool (Embriaguez ao volante).

Halisson Mateus Guedes De Souza assumiu ser sua a arma de fogo encontrada no veículo. Ela estava desmontada e com uma munição, sendo encontrada enrolada em um pano de cor verde debaixo do banco traseiro.

Ele declarou que tinha a arma guardada há alguns meses e a levou para utilizar caso se deparasse com algum animal perigoso durante a pescaria, e ainda, que efetuou alguns disparos em direção a água por diversão e para não voltar com munição para casa devido à presença de seu filho. Ele deve responder por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Os dois, assim como Luís Henrique Ribeiro da Cunha Honorato e Rodrigo Brandao Freire que se uniram com intuito de realizar a pesca utilizando-se de petrechos proibidos, também responderão por crime ambiental – pescar, comercializar ou transportar pescado proveniente de pesca proibida; e associação criminosa.

Eles foram encaminhados à Central de Flagrantes local. Ao serem questionado sobre a Lei de Crime Ambiental, teriam declarado que não sabiam da proibição do uso de redes ou tarrafas para pesca no local e em pleno período de Piracema.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar